Viagra rosa para mulheres

Muitas mulheres ao longo da vida notam que seu desejo sexual costuma viver uma montanha russa. 

De fato, a libido da mulher está interligada a diversos fatores, sua saúde, seu dia a dia, seus hormônios, a alimentação e o estresse. 

Mas ser mulher não significa necessariamente ser refém da falta de libido, principalmente quando esta se torna crônica. A menopausa e pós menopausa não são um atestado de morte para o desejo sexual feminino. 

Atualmente, as mulheres já podem contar com o flibanserin viagra rosa, um viagra que promete restaurar o desejo sexual da mulher. 

Ao contrário do Viagra masculino, o Viagra rosa deve ser tomado diariamente, pois seus efeitos podem demorar a surgir, mas possuem maior duração do que sua versão masculina. 

Entenda mais sobre o Flibanserin!

Inicio do Viagra rosa

Viagra rosa para mulheres

O Flibanserin foi descoberto nos anos 90, quando também na Itália alguns pesquisadores começaram a experimentá-la em camundongos como antidepressivo. 

A molécula de fato atua nos receptores da serotonina, o neurotransmissor “da felicidade” cuja deficiência está envolvida nos transtornos do humor, e em dois outros transmissores cerebrais fundamentais, dopamina e noradrenalina. 

Os estudos pareciam promissores, na verdade eles indicaram que agia mais rapidamente do que os antidepressivos “clássicos”, que são usados ​​em média algumas semanas antes de observar os efeitos nos sintomas. 

Mas a verdadeira surpresa veio quando os ensaios clínicos começaram: as mulheres envolvidas frequentemente relatavam um inesperado “efeito colateral”, isto é, um aumento substancial no desejo sexual. 

Assim, na década de 2000, o início de estudos centrou-se em mulheres na pré e pós-menopausa com o chamado distúrbio do desejo sexual hipoativo.

O termo “médico” para identificar a perda de desejo por relações sexuais que frequentemente acompanha o declínio de estrogênio na menopausa.

Os dados coletados mostraram uma certa eficácia da droga, em um período em que outro candidato já estava deixando de se tornar um viagra rosa, ou testosterona em adesivos ou gel rejeitados pelos reguladores para mulheres na pós-menopausa. meados dos anos 2000.

Em vez disso, alguns ensaios com Flibanserin relataram um efeito significativo no placebo. 

Em outros, as reações das mulheres pareciam mais brandas, mas a corrida pelo novo Viagra para mulheres já havia começado e, com isso, os pedidos de registro do medicamento para tratar o distúrbio hipoativo do desejo sexual.

O nascimento de um novo mercado ou a resposta a uma necessidade?

Os que se opõem à aprovação do medicamento apontam que o desejo das mulheres é uma questão muito delicada e sua redução, que pode ser devido a milhares de razões, não deve ser medicalizada com a pílula que faz com que a vontade retorne ao comando, ainda mais se isso acontecer. 

O medo é que estão tentando alimentar um mercado potencialmente enorme, estimado em bilhões de dólares, se é verdade que cerca de uma em cada dez mulheres sofre com uma diminuição no desejo

Embora alguns médicos sejam contra o uso não descrito do Viagra rosa, o mercado abraçou o medicamento como a solução tão esperada para os distúrbios de desejo sexual feminino. 

No entanto, antes do uso de qualquer medicamento, é necessário uma avaliação médica para saber a dosagem e o tempo ideal para o uso do medicamento. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *